Alimentação das mulheres

As mulheres têm necessidades específicas na alimentação devido, principalmente, a alguns aspectos de sua saúde, como os ginecológicos. Por isso é preciso ter atenção para manter uma dieta equilibrada.

Na fase menstrual, como se perde muito sangue, há uma constante preocupação com o consumo adequado de ferro. Além disso, o organismo precisa de um reforço de nutrientes, como vitaminas do complexo B, fibras, ácidos graxos, vitamina R e minerais que auxiliam nos sintomas pré-menstruais.

O inhame é um coringa, ele ameniza as cólicas e outros sintomas da TPM, reforça as defesas do organismo, estimula a libido e tem ação anti-inflamatória.

Durante a gravidez, a alimentação ganha destaque, já que os hábitos da mãe influenciam na saúde do bebê. É importante o consumo de alimentos como oleaginosas, aveia, folhas verde-escuras, gorduras boas, proteínas e frutas. Nessa fase também é ideal fazer a suplementação de vitaminas e minerais.

Já na fase da menopausa, que acontece entre os 45 e 55 anos, existe a queda na produção do estrogênio, o que ocasiona ondas de calor, insônia, ansiedade, ganho de peso, alterações de humor, dores de cabeça e lapsos de memória. Para amenizar esses incômodos, vale a pena apostar em alimentos com gorduras boas, antioxidantes, proteínas, frutas, vegetais e fibras.

A queda dos hormônios também aumenta o risco de osteoporose e, por isso, é importante consumir alimentos ricos em cálcio, vitamina D, vitamina k2, manganês e fósforo. Alguns alimentos, como o queijo, gergelim, vegetais de folhas verde-escuras e peixes são ricos em cálcio.

Mulheres também têm maior dificuldade de eliminar os líquidos do corpo, e a ingestão de chás pode auxiliar nessa retenção de líquidos, reduzindo o inchaço e limpando o organismo. Os chás mais recomendados são o branco, verde, cavalinha, alfafa, hibisco, quebra-pedra e dente-de-leão.